"Poderíamos aqui meditar sobre como seria saudável também para a nossa sociedade atual se num dia as famílias permanecessem juntas, tornassem o lar como casa e como realização da comunhão no repouso de Deus" (Papa Bento XVI, Citação do livro Jesus de Nazaré, Trad. José Jacinto Ferreira de Farias, SCJ, São Paulo: Ed. Planeta, 2007, p. 106)

segunda-feira, 10 de julho de 2017

ORAÇÃO DO CONGRESSO DE CASAIS OCDS 2017

    ORAÇÃO DO CONGRESSO DE CASAIS 2017


“O amor é paciente, o amor é benfazejo;
não é invejoso, não é presunçoso e nem se incha de orgulhoso,
nada faz de inconveniente, não procura o seu próprio interesse, não se encoleriza; nem leva em conta o mal sofrido,
não se alegra com a injustiça, mas rejubila com a verdade.
Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.” (1Cor  13, 4-7)

Ó Deus – Amor! Alegria, Caridade e Bondade infinitas!
Que “neste” Congresso de Casais no Carmelo Secular, nossa Santa Madre Teresa nos inspire a buscá- Lo de coração sincero, espelhados em Jesus e sua Sagrada Família, para a construção de um mundo onde o amor prevaleça “paciente e benfazejo”.
Que o Sacramento do Matrimônio, sinal precioso do amor do Criador, seja o “amor maior”, seja graça; seja benção; nas diferenças e dificuldades; na alegria e na doença!
Que a busca do infinito, a busca dos caminhos sagrados no matrimônio, seja unidade perfeita e missão autêntica, na Igreja que anseia por comunhão e união com a Trindade Santíssima.
Ó Deus – Amor! Iluminai cada casal, imprimindo
 “neles as Suas características e o caráter indelével do Seu amor”; abrasai- os com Vossos dons e fazei-os construir toda uma existência à luz de uma união regada na confiança, esperança e perseverança.
Um só eles serão!  Benditos serão!  Amados serão em Vós!
Ó Deus – Amor! Olhai com carinho singular, cada casal que O busca para  a construção do Reino, valorizando um ao outro na alegria e no prazer do amor verdadeiro, que completa, que enriquece, que dá e recebe sem exigir recompensa, que eleva – é o amor que “tudo crê, tudo espera, tudo suporta – se dá por inteiro, um ao outro.
Ó Deus – Amor! Fazei-os um convosco, amém!


sexta-feira, 5 de maio de 2017

Fatores essenciais para o bom relacionamento entre marido e mulher




Cerca de 500 casais felizmente casados foram entrevistados recentemente sobre o que mais os ajudou a manter seus casamentos. E as respostas, em ordem de importância, foram as seguintes:
– confiança mútua (52%);
– fé e espiritualidade (27%);
– boa comunicação (18%).
Eles também destacaram outros elementos fundamentais para um bom casamento: comprometimento, amar os filhos e lutar por eles, trabalhar juntos na solução dos conflitos, paciência, perdão e passar tempo juntos. (Fonte: CARA, Marriage in the Catholic Church: A Survey of U.S. Catholics, 2007, p. 90)
Por outro lado, ao interrogar um grande número de pessoas separadas ou divorciadas, a pesquisa revelou que, para a grande maioria delas (58%) o que mais afetou a relação foram problemas de comunicação, seguidos pela falta de comprometimento e confiança (51%). Entre os hispânicos, os principais entraves foram os problemas econômicos(48%), problemas na criação dos filhos (47%) e a relação com a família do cônjuge (38%). Além disso, surgiram na pesquisa o fato de os casais não poderem passar o tempo juntos e as dificuldades em suas vidas íntimas (CARA, Marriage in the Catholic Church: A Survey of U.S. Catholics, 2007, p. 100-101).
Resumidamente, podemos dizer que, entre muitos fatores, há alguns que definitivamente podem ser chaves para um casamento feliz. Por isso, tendo em conta esses dados e outros provenientes de especialistas em relações de casais, esta seção abordará os seguintes temas:

O comprometimento

Como mostram as pesquisas e repete a doutrina da Igreja, o amor matrimonial baseia-se na fé e no comprometimento que um cônjuge professa ao outro. Muitos problemas de comunicação, de intimidade e de convivência podem ser evitados se os votos de confiança e a decisão de amar um ao outro – pronunciados no dia do casamento – continuarem sendo fortalecidos a cada dia, diante de cada situação. Por isso, vale a pena explorar o sentido e o valor prático deste elemento tão importante para o seu matrimônio.

Valores em comum

Um dos elementos que mais contribuem com a harmonia e a estabilidade de um casal são os valores que eles têm em comum. Eles são como um tesouro, do qual as decisões diárias são alimentadas, tanto para a vida em casal quanto para o gerenciamento do dinheiro, a criação dos filhos, as relações com as famílias, etc. Enfim, o poder desse tesouro é enorme e é algo que se pode aprender a usar e a enriquecer.

A comunicação

Aprendemos a falar nos primeiros anos de vida, mas aprendemos a nos comunicar ao longo dela e à medida que descobrimos que nem todas as pessoas entendem as coisas da mesma forma nem se expressam através dos mesmos meios. Uns são mais espontâneos, outros reservados. Uns usam palavras, outros usam gestos e ações para expressar sentimentos. Muitas dificuldades que fazem os casais se desgastarem têm suas origens nas diferenças de comunicação. Descobrir a forma de comunicação de seu parceiro é a melhor forma de expressar seus sentimentos a ele – e será uma grande ajuda.

Ferramentas para a solução de conflitos

Discordar de opiniões é normal. Mas, para que essas diferenças não sejam motivos de conflito e, muito menos, de uma crise matrimonial, é preciso aprender as técnicas de comunicação e solução de conflitos. Esta aprendizagem é conveniente para todos, pois, embora às vezes tendamos a imaginar que o problema é do outro, é evidente que comunicar-se é uma arte com técnicas muito variadas e cada pessoa é um mundo que vale a pena aprender a decifrar e conquistar.

Espiritualidade e fé

Falando de recursos para um casamento feliz, devemos considerar de maneira muito especial o que Deus coloca em nosso matrimônio e em nossas relações afetivas. O amor é a fonte das relações. Por isso, aprender a amar não é outra coisa a não ser aprender a ouvir a vontade de Deus e segui-la em nossa vida pessoal e de marido e mulher. Quando este caminho de busca do amor verdadeiro e da espiritualidade é um empenho que o casal quer experimentar junto, grandes bênçãos se fazem presentes na vida dele. Por isso, seja pelo fato de estarem passando por um momento difícil da relação, seja porque querem conservar a felicidade que estão experimentando, aprender a desenvolver a espiritualidade certamente fortalecerá o amor.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

I ENCONTRO DE CASAIS CARMELITAS DE FORTALEZA



Os casais carmelitas das três comunidades da OCDS de Fortaleza se reuniram no dia 28/04/2017 para o seu I ENCONTRO. A iniciativa foi uma proposição do I Congresso de Casais da OCDS realizado em julho de 2016 em São Roque.

A reunião foi iniciada com um lanche gentilmente ofertado pelo casal anfitrião Gerardo e Mônica. Em seguida os casais presentes partilharam um pouco da experiência do Congresso, bem como um pouco da vida, da caminhada, da família e da vocação ao Carmelo.



Em seguida, foram levantadas propostas para arrecadar fundos a fim de possibilitar uma ajuda aos casais que pretendem participar do II Congresso de Casais que se realizará de 21 a 23/07/2017 no Centro Teresiano de Espiritualidade em São Roque, ficando decidido que se fará um almoço beneficente no Carmelo Santa Teresinha, em Fortaleza, com a venda de ingressos no valor de R$20,00.

A reunião foi finalizada com a oração final, com a presença das relíquias do santo casal Luís Martin e Zélia Guerin, que passaram pelas mãos de cada casal, a fim de que colocassem suas intenções.




Após, a reunião uma pequena surpresa, as luzes foram apagadas e colocada uma música romântica a fim de que os casais pudessem dançar aconchegados. Foi distribuída ainda uma lembrancinha para levarmos como recordação do I Encontro.


Os próximos encontros acontecerão periodicamente, e Deus aos poucos vai revelando os seus planos para que possamos viver nossa vocação carmelitana, não individualmente, mas como casais e como família.


quinta-feira, 2 de março de 2017

Convite para o II Congresso de Casais OCDS

2º CONGRESSO DE CASAIS OCDS



Queridos Casais,

PAZ E ALEGRIA! 



Já estamos com nossas inscrições abertas para o 2º Congresso de Casais, além dos nossos irmãos e irmãs de Ordem, também podem participar todos que se identificam com o carisma carmelitano e queiram conhecer melhor o Carmelo Secular.


Programação do Congresso de Casais OCDS


1º dia (21/07)
16h – Acolhida
17:30h – Missa
18:30h – Jantar
19:30h – Abertura com Fr. Cleber
20:00h – Completas e Adoração ao Santíssimo (1h)

2º dia (22/07)
07:00h – Missa com Laudes
08:00h – Café
09:00h – Palestra: O Castelo Interior na vida matrimonial – Gerardo e Mônica
10:00h – Cafezinho
10:30h – Entrando no Castelo a dois – Deserto do casal
11:40h – Avisos
12:00h – Almoço
14:00h – Palestra: Educar os filhos para o céu – João e Izabel
15:00 – Cafezinho
15:30h – Palestra: Linguagens do Amor – Fábio  e Juliana
16:30h – Cafezinho
17:00h – Momento Mariano – Consagração pessoal do casal a N. Senhora e oração do santo terço meditado para as famílias
19:30h – Jantar especial com os casais no Centro Teresiano.

3º dia (23/07)
07:00h – Missa com Laudes
08:00h – Café
09:00h – Palestra: Vivendo a  Conjugalidade no matrimônio – Fr. Cleber
10:00h – Cafezinho
10:30 – Avaliação e partilha
11:30h – Palavra do presidente e encerramento
12:00h - Almoço


PARTICIPEM E DIVULGUEM!




 Informações e dúvidas: E-mail:comissaodecasaisocds@gmail.com
 Telefone: (14) 98151-4456 (Whatsapp) - Juliana

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

O AMOR E A ENTREGA




Um dos conceitos que mais me preocupam hoje é o conceito de amor. O amor hoje é identificado como um sentimento.

E os sentimentos podem desaparecer, como todos nós sabemos. Se o amor, se um casamento, estão apoiados num sentimento, passam a ser extremamente vulneráveis, sujeitos a desaparecer em qualquer momento.

Imaginem, então, a insegurança que as pessoas vivem!!! É como viver com a espada de Dâmocles sobre a cabeça, pois o amor de alguém por nós pode acabar a qualquer momento.

Mas, graças a Deus, o amor não é só um sentimento. O sentimento para o amor verdadeiro é uma consequência e não a sua essência. A essência do amor verdadeiro é a entrega. Expliquemos melhor.

O amor é uma escolha; a escolha de uma pessoa que eu decido amá-la. Vamos supor um rapaz que está namorando uma menina e depois de um tempo de namoro vê nesta menina a sua esposa, aquela que será a mãe dos seus filhos. E é ciente das suas qualidades e defeitos. Pois bem, vendo-a assim, decide se casar com ela, a pede em casamento e se casa com ela.

É lógico que ao longo da sua caminhada podem aparecer moças mais virtuosas do que a sua esposa, moças mais belas, mas a partir do momento que decidiu se casar com ela, ela é o seu foco, ela é o seu amor. E qual será a sua ação ao amá-la? Entregar-se a ela. E nessa entrega acontecerá um fenômeno que acontece toda vez que nos entregamos: quanto mais eu me entrego, mais eu amo.

A entrega, no fundo, é o amor. A entrega aumenta o amor e o amor aumenta o desejo de entrega. É um círculo virtuoso. Não é verdade, por exemplo, que se eu tenho um sobrinho, quanto mais eu me entregar a ele, mais eu vou amá-lo? Pois bem, a entrega é a essência do amor. E quando o amor cresce, é natural que o sentimento também cresça, se bem que há momentos em que não sentimos nada, apesar de amarmos.

Saber que o amor é entrega nos dá um grande alívio. Ou seja, o amor não está ao sabor do vento, das circunstâncias. Mas de algo muito mais sólido que é a entrega minha por alguém e do outro por mim. Eu, por exemplo, quando tinha 26 anos decidi ser sacerdote e me entregar a Deus. É lógico que meu sentimento por Deus já passou por fases de escuridão e de luz. Mas eu não abandonei a Deus porque estava passando por um momento de escuridão. Eu decidi me entregar e Deus e estou perseverando nesta entrega depois de 25 anos. Eu sei que este é o meu caminho. E sei também que quanto mais eu me entrego a Deus, mais eu o amo. Sei, portanto, que meu amor está muito mais nas minhas mãos, do que nas mãos de Deus, pois depende muito da minha entrega. E como tudo na vida, se não luto, pode cair na rotina. Mas se cai na rotina, a culpa é minha que não estou encontrando novas formas de me entregar, novas belezas em Deus. Eu luto, por exemplo, diariamente para celebrar melhor a missa. E o quanto mais eu luto, mais eu descubro a beleza da Santa Missa e mais eu a amo e consequentemente a Deus.

Como todo ser humano, também, tenho tentações no caminho que sigo. Sempre vão aparecer miragens “tentadoras” para eu largar o meu caminho. Mas isso acontece na vida de todos. Mas eu sei qual é o caminho que Deus quer para mim e, consequentemente, o caminho que me fará feliz. Sei que a felicidade não está nestas miragens. Vocês também têm a mesma experiência. Sabem o caminho que Deus quer que vocês sigam e que ali está a felicidade apesar de todas as tentações que possam surgir.

Amar é, portanto, uma entrega que se renova livremente a cada dia. Amar é seguir um caminho que Deus mostrou para nós. 

Sabendo que o amor é entrega, que se alimenta da entrega, façamos o propósito de entregar-nos cada vez mais a quem amamos. E ajudemos também a quem decidiu se entregar por nós que não deixe de se entregar. Se bem que a nossa própria entrega, amorosa, gratuita, sempre será um estímulo para a entrega da pessoa amada. E que a partir de agora quando ouvirmos alguém dizer que “o amor acabou”, ajudemos esta pessoa a refletir se seu amor não estava baseado mais no sentimento, pois, de fato, o sentimento pode passar, mas não o amor verdadeiro.


Padre Paulo M. Ramalho
falar.paulo@gmail.com
ww.fecomvirtudes.com.br
https://www.facebook.com/FeComVirtudes?ref=hl
http://instagram.com/fecomvirtudes
*********************************************
Padre Paulo M. Ramalho - Sacerdote ordenado em 1993. Cursou o ensino médio no colégio Dante Alighieri. Engenheiro Civil formado pela Escola Politécnica da USP; doutor em Filosofia pela Pontificia Università della Santa Croce. Atende direção espiritual na igreja Divino Salvador, Vila Olímpia, em São Paulo.